2.5.09

A menina acordou assustada, ouvindo passos pelo jardim. Resolveu sair pelas portas do fundo, como sempre fazia nas noites insones, e investigar de onde vinha o barulho.
Ao chegar no jardim, percebeu algumas plantas pisoteadas e pegadas de barro que saiam do canteiro e iam dar no portão.
Essas pegadas já estiveram aqui antes - pensou a menina. Ele costuma vir no meio da noite, para pegar-me de surpresa.
E na última visita, o dono das pegadas limitou-se a destruir as flores mais bonitas.
Mas desta vez foi diferente. Deixou um bilhete no pé de rosa e um coração de papel.
Naquele instante, a menina quis acreditar. Tirou da caixinha da memória só os momentos doces. Os risos. Os carinhos. Os pequenos gestos.
Mudança?
Quem sabe essa doçura do início seja só uma estratégia - pensou a menina.
Camaleão.
Pegou o bilhete e o coração de papel pra guardar no meio da agenda. Trancou o portão com cadeado, pra não correr o risco dele voltar.
Deitou-se na cama e rezou com força, aquela e muitas outras noites: Livrai-me de todo o mal.
Amém.

3 comentários:

Vanessa disse...

Cada escolha, por menor que seja, é uma forma de semente que lançamos sobre o canteiro que somos.
Cuidado com aqueles que deixam cair qualquer coisa sobre você, afinal, você merece muito mais que qualquer coisa(...) Ainda há muito o que plantar, e o que amar nessa vida.(...)

[Pe. Fábio de Melo]

.

anazézim disse...

Tenho uma flor guardada num caderno onde vez em quando escrevo algumas coisas. Quem me deu a flor foi o coração mais bonito: coração-feminino!

Vanderhugo disse...

é sempre mto bom vir por aqui...

lendo, lembrei-me de "O mundo de Sofia"...

bjs